Política

Guto Volpi gastará cerca de R$ 15 mil/mês com portaria da Câmara Municipal

Processo de contratação de empresa será concluído na próxima segunda-feira

Presidente Guto Volpi contratará empresa para controlar acesso a Câmara

Imagem:Reprodução Redes Sociais

Por Redação

Na próxima segunda-feira a Câmara de Ribeirão Pires vai conhecer qual será a empresa responsável por controlar o acesso (portaria) ao Legislativo Municipal. Neste dia será aberta a carta convite cuja previsão de gastos constante no edital tem o valor médio global estimado pela Administração para a contratação de R$ 14.575,00  mensal e, R$ 174.900,00 anual.

Segundo o edital, a prestação dos serviços de controle de acesso envolvem a alocação, pela contratada, de profissionais devidamente habilitados, com as atribuições abaixo descritas:

a. Assumir o posto devidamente uniformizado e com aparência pessoal adequada;

b. Comunicar imediatamente a contratante qualquer anormalidade verificada, inclusive de ordem funcional, para que sejam adotadas as providências de regularização necessárias;

c. Comunicar a Secretaria Geral da contratante, por escrito, todo acontecimento entendido como irregular e que atente contra seu patrimônio;

d. Registrar e controlar diariamente as ocorrências do posto em que estiver prestando seus serviços:

e. Manter afixado no posto, em local visível, o número do telefone da Delegacia de Polícia, do Corpo de Bombeiros, dos responsáveis pela administração;

f. Observar a movimentação de indivíduos suspeitos nas imediações do posto, adotando as medidas de segurança conforme orientação recebida da contratante, bem como as que entenderem oportunas;

g. Permitir o ingresso nas instalações somente de pessoas previamente autorizadas e identificadas;

h. Colaborar com as polícias Civil e Militar nas ocorrências de ordem policial dentro das instalações da contratante facilitando, no possível, a atuação daquelas, inclusive na indicação de testemunhas presenciais de eventual acontecimento;

i. Controlar a entrada e saída de veículos, empregados/funcionários e visitantes, após o término de cada expediente de trabalho, feriados e finais de semana na conformidade do que venha a ser estabelecido pela contratante;

j. Proibir o ingresso de vendedores, ambulantes e assemelhados às instalações, sem que estes estejam devida e previamente autorizados pela contratante;

k. Proibir todo e qualquer tipo de atividade comercial junto ao posto e imediações, que implique ou ofereça risco à segurança dos serviços e das instalações;

l. Proibir a utilização do posto para guarda de objetos estranhos ao local, assim como de bens particulares de empregados ou de terceiros;

m. Não se ausentar do posto;

n. Cumprir a programação dos serviços feita periodicamente pela contratante, com atendimento sempre cortês e de forma a garantir as condições de segurança das instalações, dos empregados e das pessoas em gerai que se façam presentes.

Mais lidas agora

Últimas em Política