Política

Akira usa de informações incompletas para ganhar apoio popular em RGS

Por desconhecer máquina pública Akira não consegue analisar contratos

Akira passa informações que levam a análises distorcidas da realidade

Imagem:Arquivo Folha

Por Wagner Lima

De olho na Prefeitura de Rio Grande da Serra, o vereador Akira Auriani (PSB) vem se posicionando  como crítico da Administração Municipal.

Pelas redes sociais ou mesmo durante as sessões da Casa de Leis critica contratos e cobra mais transparência no uso do dinheiro público.

À população leva informações incompletas, superficiais, conduzindo a erro de interpretação.

Durante a sessão da Câmara na última quarta-feira, o parlamentar criticou a contribuição de iluminação pública (CIP).

“A taxa é mais de R$ 20,00, isso tudo para trocar uma lâmpada que custa R$ 2,00 ou R$ 3,00?”, perguntou.

Se proposital ou por desconhecimento Akira omitiu que a CIP não é utilizada apenas para a troca de lâmpada, e sim para manutenção do sistema como troca de reatores, cabeamento, novos pontos de luz, troca de postes, entre outros serviços.

Outro ponto não esclarecido  para a população é que o valor da CIP arrecadada, além da manutenção do sistema paga o consumo.

São 4.127 postes em Rio Grande da Serra. Segundo a Prefeitura, o consumo de iluminação pública gera um custo mensal médio de R$120 mil ao mês, e a manutenção da rede consome cerca de R$ 80 mil/mês, totalizando R$ 200 mil.

Ainda segundo a Prefeitura, o contrato é regulamentado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL).

Dias antes o parlamentar se envolveu em outra discussão, agora na rede social, quando postou que a Prefeitura iria gastar mais de R$ 600 mil em um contrato de telefonia pelo período de 6 meses.

Após muita controvérsia ficou esclarecido que o referido contrato tinha o prazo de duração de 12 meses. Sanada a discussão na rede, o caso voltou a ser pauta do vereador na sessão da Câmara, e mais uma vez Akira mostrou desconhecer a máquina pública.

Se aproveitando da presença de moradores que reclamavam da falta de calçamento em ruas  disparou: “Mesmo que seja por 12 meses, não é muito gasto com telefone? Não teriam outras prioridades? “. Mais uma vez Akira “jogou para o público” não comentou que a telefonia serve para atender escolas, UBSs, Upa, Casa Abrigo, Teatro,  Defesa Civil, e toda a estrutura de secretarias e departamentos municipais.

Segundo a Prefeitura, o valror anual atende a 4 linhas 0800, 6 troncos digitais, 780 ramais, 50 redes de banda larga, 10 redes IP e 100 linhas analógicas.

Mais lidas agora

Mais Política